Em busca do Estádio Perdido em São Francisco Xavier

O Estádio Perdido de hoje fica num lugar que parece ter esquecido os problemas do mundo afora.

Falamos de São Francisco Xavier, distrito de São José dos Campos (correção feita graças à colaboração de um dos leitores!).

Distante cerca de 50 km da cidade de São José dos Campos, possui várias cachoeiras lindas e cheias de energia, para quem anda numa fase cansada.

Eu e a Mari estivemos por lá no final do ano!

A paisagem do lugar é indescritível.

Nem mesmo as fotos conseguem dar a sensação de acolhimento que Serra da Mantiqueira oferece aos turistas.

E, claro…. Tem futebol!

O Estádio Arthur Eduardo Bose, inaugurado em 1997 abriga os jogos dos times da região, em especial do Clube Mantiqueira de Futebol.

O Estádio fica logo na entrada, ao lado do posto de gasolina.

Não tirei muitas fotos, porque começava a chover forte bem no momento em que estávamos por ali, mas dá pra notar que o Estádio está no meio da natureza, né?

Assim, eternizei minha presença em mais um Estádio.

Fico me perguntando como deve ser difícil prestar atenção nas jogadas com um cenário tão tranquilizante como este…

Já na cidade, conhecemos a sala de troféus do Clube Mantiqueira, fundado em 1956, e desde então disputando jogos pela região. 

O responsável pela sala de troféus é também o principal barbeiro/cabelereiro da cidade (me perdoe mas esqueci seu nome…)

Além dos troféus, o salão da barbearia é repleto de fotos do time de diferentes épocas, quase uma aula de história sobre o futebol local. 

Ficamos na Pousada Itaki (www.pousadaitaky.com.br) e recomendamos o lugar para quem quer passar um tempo longe da loucura da grande São Paulo. Abaixo uma das vistas da pousada:

Bom, por hora é só… Em breve mais camisas, mais estádios, mais rolês… Porque a vida é pra ser vivida.

Anúncios

São Bernardo 1 x 0 Votoraty

Quarta feira, 16hs e eu tive que ir buscar meu RG no Poupa tempo de São Bernardo.

Perfeito! Em 3 minutos eu estava com meu novo documento e tempo suficiente para dar uma olhada pessoalmente no time do São Bernardo, pela série A2, no jogo contra a simpática equipe do Votoraty.

O Tigrão vêm em grande estilo, se liga no ônibus do time: 

O jogo foi no histórico Estádio da Vila Euclides, o 1.o de Maio.

Devido ao horário, a galera não lotou as arquibancadas como vem fazendo, mas até que bastante gente compareceu para assistir a partida.

Pra quem não lembra, esse é o Estádio que aparece no filme do Lula, onde aconteceram os encontrosentre mais de 100 mil trabalhadores para decidirem os rumos das greves, na década de 80, aqui no ABC.

É um estádio bem estiloso, e confesso que já não me lembrava de como é gostosos assistir jogos aqui.

Sobre o jogo, logo no início do 1o tempo começou a chover, o que transformou a partdia num grande desafio para o Tigrão, que precisava vencer de quaquer jeito.

O time contou com a experiência de Luciano Bebe, autor do único gol da partida, para vencer o time de Votorantim e assim subir na tabela da A2.

No segundo tempo, o Votoraty até voltou mais ousado, mas perdeu um jogador e facilitou a vitória do São Bernardo, frente sua empolgada torcida.

O próximo jogo do São Bernardo é contra o América, fora de casa, enquanto o Votoraty recebe o União Barbarense, em Votoratim.

Fica assim mais uma vez nossos parabéns ao time, torcida e população de São Bernardo!

 

Apóie o time de sua cidade!!!

66- Camisa do Joinville

A Camisa 66 é mais uma representante do estado de Santa Catarina (alias, pra quem não deu atenção quando escrevemos sobre o time do Imbituba, eles chegaram na primeira divisão Catarinense…).

E na verdade não se trata de apenas uma, são duas, as minhas camisas do Joinville Esporte Clube. A segunda foi presente do grande amigo Rodrigo Ratier, atleta do tradicionalíssimo Garotos Podres e editor da Nova Escola!

O Joinville Esporte Clube foi fundado em 1976, a partir da fusão do departamento de futebol das equipes de América e Caxias, ambas da bela cidade de Joinville.

O Joinville tornou-se um dos maiores clubes de Santa Catarina, tendo conquistado 12 títulos estaduais, sendo o primeiro deles, logo no ano de estréia do clube, com o time abaixo:

Se no ano seguinte, o time não chegou ao título, os 8 anos seguintes tornariam-se memoráveis para a torcida do JEC, graças ao octacampeonato conquistado entre 1978 e 1985.

O time de 1978 você conhece agora:

O de 79, também tem foto de campeão:

O de 1980 é em preto e brancp, mas vale pelo registro histórico:

O de 81 também:

Fico devendo os esquadrões de 82 e 83, mas o de 84 segue abaixo:

Sobre o título de 1985, encontrei um vídeo no youtube, se liga:

Depois do octagonal ainda viriam os títulos de 1987 e o bi-campeonato 2000 e 2001.

Além disso, o JEC disputou a série A por diversas vezes, com destaque para o ano de 1985 quando ficou na oitava posição.

O maior ídolo da torcida Jequeana de todos os tempos foi o atacante Nardela, que jogou de 1980 a 1994, se constituindo no maior artilheiro do clube com 130 gols.

Assim como a gente fez pro Santo André (ouça no www.myspace.com/foradejogo), o Joinville também ganhou uma versão Rock para seu hino, para ouví-la, clique aqui

O mascote do time é o “Jack Coelho“:

Possui um belo estádio, a “Arena Joinville”:

O site oficial é www.jec.com.br mas sugiro uma visita ao blog http://www.soujec.com.br feito por torcedores e por isso, mais “emocionante”.

Existe um documentário feito sobre o time bem legal, confira:

E já que você está aqui na net, dê uma visitada no blog http://www.mcnishph.blogspot.com só sobre o futebol catarinense.

Pra terminar, uma visão do que é comemorar um resultado com a torcida do JEC!

Apoie o time da sua cidade!

Em busca do Estádio Perdido em São José dos Campos

Depois que nossa máquina digital foi perdida ou furtada, decidi comprar a primeira câmera que encontrasse por um preço bom.

Resultado, no dia 26 de dezembro já estava com uma nova máquina, o que nos obrigou a fazer uma rápida viagem para testá-la.

Assim, eu e a Mari seguimos para o Vale da Paraíba, em busca de 3 “Estádios Perdidos”.

Nesse post, apresento o mais famoso deles, o Estádio Martins Pereira, fundado em 1970, mas possui a placa do antigo estádio (com o mesmo nome) fundado em 1933.

O Estádio leva esse nome em homenagem aos irmãos Nelson e Mário, fundadores do São José (aqui valelembrar que ainda não tenho a camisa do time, assim que conseguir eu posto por aqui).

Quem vê de fora não consegue ter a idéia certa sobre o Estádio, até porque ele merecia uma nova mão de tinta…

Mas por dentro, mesmo nas escadarias já começa a ter mais vida, mais cor…

A estratégia de divulgação dos jogos é simples, barata e eficaz, e já mostra quem é o dono do Estádio.

Vale dizer que o Martins Pereira é daqueles estádios grandes, que ocupa todo o quarteirão.

O estádio tem capacidade para 15.317 pessoas.

Abaixo, dá pra ter uma idéia de como cabe gente por ali…

Lá dentro, um outdoor muito bem planejado pela equipe que cuida da Comunicação da Sabesp… É difícil ver gente utilizando o espaço do futebol com uma temática própria e criativa.

Como sempre, não perco a chance de materializar a minha presença em mais um glorioso Estádio de futebol.

Aliás, eu e Mari não perdemos a chance…

Cuirosamente os dois maiores momentos do estádio envolveram as equipes do São José e do São Paulo.

Em 1989, deveria ter sido disputada nele uma das finais do Paulistão, mas o time do Vale foi roubado na cara dura e os dois jogos foram no Morumbi

O segundo detalhe envolvendo o São Paulo é quanto ao recorde de público, oficialmente num jogo de 1987 (19 mil pessoas), e não oficialmente num jogo de 1997, quando 25 mil pessoas estiveram ali (embora 6 mil tenham entrado de graça).

Bom, deu pra ter uma idéia do estádio, certo?

Na sequência falarei de outros dois estádios da região.

Apóie o time da sua cidade!

Valorize o que é seu, antes que você o perca…

Published in: on 20 de janeiro de 2010 at 9:24 PM  Comments (9)  
Tags: , ,

65- Camisa do Volta Redonda

A 65a camisa da coleção vem do Rio de Janeiro, e mesmo sendo da “terra do calor”, é uma camisa de mangas compridas, muito bonita e pertence ao Volta Redonda Futebol Clube.

Acabei de ver a apresentação da camisa para 2010 e as faixas voltaram a ser verticais, o que eu acho uma pena.

O time defende as cores, as pessoas e o nome da cidade de Volta Redonda e é também chamado de Voltaço, devido a atuação econômica da cidade, a siderurgia.

As origens da cidade de Volta Redonda são do ínicio do século XVIII, por volta de 1727, quando jesuítas residiram na região e formaram a Fazenda Santa Cruz, que servia de descanso para quem fazia a rota Rio de Janeiro/ São Paulo.

O curioso nome da cidade foi dado por garimpeiros que achavam diferente a curva do Rio Paraíba do Sul.

O site oficial do time é  www.voltaco.com.br .

Nos anos 70, a ditadura militar considerava Volta Redonda como Área de Segurança Nacional, devido ao potencial revolucionário que ofereciam os milhares de operários da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional).

Potencial que virou realidade em 1988, quando os operários da CSN realizaram uma das maiores greves da história do Brasil.

Os cerca de 8 mil operários enfrentaram a polícia e o exército.

O resultado? 3 mortos e vários feridos após uma ação de invasão do exército.

Mesmo assim, a greve não teve fim e ainda contou com o apoio de 12 mil pessoas da comunidade, que de mãos dadas foram mostrar seu repúdio à ação militar.

A greve só foi terminar após novas negociações e a obtenção de parte dos direitos desejados.

Anos mais tarde a CSN seria privatizada e cerca de 70% de seus funcionários demitidos.

Aos “fuzilados da CSN” fica o registro eterno feito pela banda “Garotos Podres” (só a música é deles, o clip foi feito por algum fã):

E foi em torno da paixão esportiva dos operários da CSN que o futebol se desenvolveu na cidade.

Vale lembrar que de 1960 a 1975 existiam dois estados distintos: Guanabara e Rio de Janeiro, por isso só em 1979, as duas federações se unificaram e tornou-se necessário escolher um dos clubes da cidade para representar Volta Redonda no estadual.

E assim, em 09 de fevereiro de 1976, o até então “Clube de Regatas Flamengo de Volta Redonda”, agora “Volta Redonda Futebol Clube” com as cores preto, branco e amarelo e o distintivo inspirado no município se tornou o clube profissional da cidade.

Enfim, a cidade teria o seu representante no Campeonato Carioca.

Alguns times da época:

Abaixo, o time de 1976:

Mais uma equipe que jogou os anos 70:

A primeira partida do Volta Redonda no estadual foi uma vitória 3 a 2 contra o Botafogo, no Estádio Raulino de Oliveira (devidamente reformado pelos operários da CSN e agora comportando 25 mil torcedores).

O Volta Redonda participou de três brasileirões (Série A), em 1976, 1977 e 1978.

Em 1987, o Voltaço conquista a segunda divisão carioca de 1987, veja as fotos:

O título da segu7ndona carioca seria conquistado novamente em 1990.

Foi campeão da Copa Rio em 1994, 1995, 1999 e 2007 (aliás é o maior ganhador dessa competição. Não conhecia a Copa Rio? Veja mais em http://pt.wikipedia.org/wiki/Copa_Rio).

Em 1995, foi Vice Campeão Brasileiro da Série C, quando perdeu o título para o XV de Piracicaba.

Em 2004, conquista novamente a segunda divisão do Campeonato Carioca.

Já em 2005, chega ao vice-campeonato estadual, tendo conquistado a Taça Guanabara (perdeu o título para o Fluminense).

Vale a pena conferir o clip feito pela torcida para 2005:

O mascote do Volta Redonda é a Jaguatirica:

Ouça o hino do clube:

Manda seus jogos no Estádio Estádio Raulino de Oliveira:

Faça um tour virtual pelo estádio, clicando aqui.

Possui uma torcida presente, ainda bastante familiar e que tem muito carinho pelo time, mas sofre com a questão dos torcedores mixtos, devido à proximidade com a capital.

E possui várias organizadas, como  a TOV (Torcida Organizada Voltaço), Império Jovem e a rapaziada da Super Jovem do Voltaço, que encerra esse post:

Apóie o time da sua cidade!

Rolê boleiro em Maceió – parte 2

Dando sequência aos posts sobre nossa viagem à Maceió, depois te ter falado sobre o CRB, vamos falar sobre os outros times e estádios de Maceió.

Relembro que como perdemos nossa câmera no último dia da viagem, a gente finge que as fotos apresentadas são as que a gente tirou ok??

Bom, o maior rival do CRB é o CSA. A começar pela “guerra de cores” dos uniformes. Se o CRB é o time vermelho, o CSA é o azul de Maceió.

 E a cidade se divide mesmo.

Como estávamos no Pajuçara vivenciamos mais o lado CRB da cidade, e não chegamos a conhecer o estádio do CSA, no bairro Mutange, que fica distante quase 1 hora dali (lembre-se que dependíamos de busão…) mas ficam algumas fotos para conhecê-lo:

Comprei a camisa do CSA numa loja de esportes (paguei R$ 60 num modelo antigo de uma camisa oficial), em breve posto a camisa por aqui.

Continuando o rolê, fomos conhecer o Estádio Rei Pelé, atualmente em reformas.

O Estádio é o maior da cidade e é muito bonito, uma pena não ter as fotos que fizemos lá… (Aliás as últimas fotos que tirei com a câmera…).

No Estádio Rei Pelé fica o Museu do Esporte, cheio de fotografias, revistas, jornais, camisas, taças, medalhas e outros objetos que contam a história do futebol.

Confesso que achei poucos torcedores do Corinthians de Alagoas, e mesmo os que encontrei eram torcedores mixtos.

Antes de ir embora consegui encontrar uma camisa do ASA de Arapiraca (eternamente reverenciado por ter eliminado o Palmeiras na Copa do Brasil de 2002). Não havia encontrado um único torcedor do ASA até o último minuto na cidade.

Quando estávamos esperando nosso vôo, às 3 da manhã, do nada apareceram 6 torcedores fardados do ASA, até agora não entendi o que faziam ali, foi surreal, mas muito bom.

Assim, termino essa experiência muito legal que foi conhecer Maceió e vivenciar um pouco do futebol da cidade. Boa sorte aos clubes e torcedores que conhecemos!!

Published in: on 14 de janeiro de 2010 at 7:45 PM  Comments (3)  
Tags: , , ,

Rolê boleiro em Maceió

Bom, agora que já mostrei o lado turístico da viagem, e repito, vale muito a pena conhecer Maceió, vamos ao lado boleiro do rolê!

Como eu disse no post anterior, a aventura começou no aeroporto ao encontrar e bater um longo papo com o Dorival Júnior (atual técnico do Santos).

Mas mesmo ao chegar em  Maceió, os ventos continuaram soprando a nosso favor, e logo no primeiro dia demos a sorte de poder assistir a um amistoso do CRB contra a Seleção de Passo do Camaragibe.

O CRB venceu por 1×0, jogando boa parte da partida com um jogador a menos.

Enquanto isso, nas arquibancadas, nós conhecemos o pessoal da Comando, organizada do CRB que comanda a festa nos jogos.

Vale lembrar que como nossa máquina foi perdida, estou usando fotos da imprensa local para ilustrar o post e infelizmente não pude mostrar os vídeos que fizemos da torcida.

Pra mim, o que mais marcou foi o pessoal cantando as músicas em Rap! Achei o vídeo do dia em que estávamos lá, e se vc der um pause aos 22 segundos, verá eu (de amarelo) e a Mari (de vestido) lá embaixo encostado no alambrado… Nossa única lembrança desse jogo…

E o jogo pegando fogo no campo! Quem achou que seria fácil… O CRB mostrou muita disposição!

O jogo serviu para inaugurar um novo setor da arquibancada, construído com o apoio da própria torcida que comparecia aos amistosos pagando um ingresso de R$ 15 e concorrendo a uma moto, sorteada no intervalo do jogo.

O Estádio Severiano Gomes Filho fica há pouco mais de 5 quarteirôes do hotel em que ficamos.

No último dia em Maceió, ainda fomos até a sede da comando.

Resultado: voltei com a camisa do CRB (comprei lá no centro), com vários adesivos, lembranças e até o ingresso que concorria à moto.

Realmente ficamos sem palavras pela boa recepção da galera da Comando e esperamos poder encontrar o pessoal novamente. Valeu mesmo pela atenção!

Em breve posto sobre a camisa do CRB e aí dedico mais espaço às torcidas e ao pessoal, por hora, pra não ficar muito cansativo e principalmente separar times rivais em posts diferentes, depois escrevo sobre a continuação do rolê boleiro por Maceió!

Viajando pelo Brasil…

Bom, além de reunir camisas de futebol, eu também adoro viajar para conhecer novos times, ouvir novas histórias e conhecer novas pessoas (de preferência que gostem de futebol também).

Por isso mesmo, foi com muita empolgação que acertei com a Mari a nossa viagem natalina de 2009.

Assim como no ano passado, a idéia foi visitar um lugar que ainda não conhecessemos, aproveitar sua cultura e aprender um pouco mais sobre o futebol local.

No ano passado, fomos para o interior de SP e Sul de Minas Gerais, lembra? Veja aqui como foi

Esse ano, fomos mais audaciosos e decidimos conhecer o estado de Alagoas, um verdadeiro paraíso tropical.

Nossa base foi a capital, Maceió. Ficamos no Pajuçara Hotel (o primeiro hotel com piscina na frente, na foto abaixo).

Logo na ida, uma agradabilíssima surpresa para os amantes do futebol!

Ficamos quase 2 horas esperando o nosso vôo sentados ao lado de Dorival Júnior, que estava em viagem também.

Dorival foi muito gentil e simpático e nos aguentou até a hora do embarque.

Bom, agora eu tenho que adiantar uma parte da história antes que você me pergunte “Pô, por que não tirou uma foto ao lado do cara??”.

Eu tirei.

E tirei fotos de todas as praias e passeios que fizemos.

E também das aventuras boleiras, dos estádios  e do jogo do CRB.

Mas essas fotos não estarão nesse post porque consegui perder a câmera no último dia do passeio. Foda né?

Ainda não sei se a deixei cair em um dos taxis que pegamos no último dia, quando fomos conhecer o centro de Maceió, ou se fui furtado (o que não consigo aceitar, já que fiquei o tempo todo prestando atenção à mochila que estava comigo e onde levava câmera e carteira).

Bom, mas deixemos as lamentações pra lá, o que eu vou fazer é colocar fotos que estão aí pela internet pra ilustrar o que fizemos, e vc e eu fingimos que são as que eu havia tirado com a minha câmera, ok?

Então, pra resumir a parte “não boleira” da viagem, os passeios que fizemos (e recomendamos) foram: 

Praia do Pajuçara

Era a praia em frente ao hotel que a gente estava. Assim como quase todas as praias de Maceió, oferece passeios de jangada até as piscinas naturais formadas pelos corais e recifes.

Praia do Francês

Todo mundo disse “Se for pra desistir de um passeio, escolha a Praia do Francês”. Mas como não costumamos dar ouvidos sem antes ver com nossos próprio olhos, lá fomos nós à Praia do Frances, uma praia bonita e bem próxima de onde estávamos.

Tem como diferencial, a presença de um grande recife a poucos metros da orla, que praticamente divide a praia em duas partes.

Conseguimos emprestado um par de snorkels (é assim que escreve??) e ficamos quase 3 horas mergulhando e vendo os peixes.

Almoçamos num quiosque em frente a praia (opções para vegetarianos: purê de batatas, arroz e feijão, batata frita e saladas).

Paripuera

Paripuera é uma praia ao norte, pouco mais de meia hora de carro da Pajuçara.

É uma daquelas praias meio isoladas e consequentemente, com poucas pessoas.

Fomos mergulhar nas piscinas naturais lááááá no meio do mar (fomos de scuna). Um passeio bonito e inesquecível.

Depois do passeio, já em terra, fomos almoçar num restaurante que serve como ponto de base dos turistas que vão à praia.

Conhecemos dois casais muito gente boa. Um de argentinos (torcedores do Independiente) e outro de paraguaios (hinchas do Cerro). O paraguaio inclusive me prometeu uma camisa do Cerro Portenho, mas não o encontrei depois para cobrar a promessa hehehe.

Maragogi

Maragogi é uma Paripuera aina melhor, principalmente pela cor da água.

A grande dica são os sequilhos vendidos na praia. Deliciosos!

O rolê de buggy também é bacana (eu preferi pegar o pequeno e eu mesmo ir dirigindo, mas confesso que não vale muito a pena… Vai com o maior só curtindo mesmo).

Ah, e depois dê uma caminhada pro lado direito (pra quem olha pro mar) para ver o encontro da água de um rio com o mar. 

Praia do Gunga

Cara, acho que esse é o lugar mais maravilhoso, daqueles que parecem filmes.

Pequeno, com estrutura simples, mas tranquila, a maré sobe e baixa a cada 6 horas, então você começa com guarda sol praticamente dentro da água e sai dali com a água longe.

Levei uma queimada de “Cebola” (um tipo de água viva). Dói pracaramba.

Ao redor, só plantação de coqueiros.

Pra se chegar vai de barco ou de carro. Nós fomos de barco.

O que enjoa é que só toca forró. E eu não gosto de forró. Nem um pouco.

Bordadeiras e Rendeiras do bairro Pontal da Barra

Como a Mari é uma profissional da moda, na volta da praia do Gunga paramos no Pontal da Barra para conhecer o tão comentado trabalho das Bordadeiras.

Muito legal. Fiquei sabendo inclusive que o movimento anarquista da região atua por ali com os pescadores.

Feira do Rato

Bom, a gente ainda procura manter uma atitude mais punk e ao invés de só fazer o rolê de turista, tentamos conhecer um pouco do verdadeiro dia a dia das pessoas.

Assim, ao invés de fazermos um últimos passeio, decidimos tirar o dia para conhecer os museus e também para conhecer o centro da cidade.

O primeiro destino: “A feira do Rato”, também conhecida como “Feira do trem” pois a mesma é montada em cima de um trilho e quando o trem passa… É aquele corre.

O lugar é legal, mas vc tem que estar ligado, porque é mais ou menos como uma 25, só que sem nenhum policiamento.

Ao lado da feira estão o mercado de artesanatos e o mercado municipal. Fomos nos dois, mas sofremos um pouco porque entramos pelo lado do açougue no mercadão e para dois vegetarianos não é assim o melhor dos passeios.

Centro de Maceió

Centro é centro. Não tem segredo.

Camelódromos, vendedores ambulantes, gente apressada…

Museus

Visitamos quase todos os Museus do Centro da cidade, e embora as empresas de turismo não dêem muita atenção (alegam que é o próprio turista que não quer ver museu, quer ir pra praia) nós recomendamos um dia para se visitar a cidade e ao menos conhecer por fora os Museus.

Destacamos o Museu doPalácio Floriano Peixoto, o Museu Théo Brandão, o Museu de Arte Brasileira e o Museu da Imagem e do Som – MISA, que se vê na foto acima.

Bom, como tá um pouco tarde, até o final dessa semana eu escrevo um novo post contandoo sobre a parte boleira do nosso rolê!!! Aguarde…

Apoie o time da sua cidade!!!

64- Camisa do Club Aurora

Que tal começar 2010? Estão prontos? Então vamos lá!

A 64 Camisa da coleção é novamente de um time Boliviano (veja o post sobre as camisas da Seleção Boliviana e do Oriente Petrolero aqui), o Club Aurora.

A Bolívia de tantas culturas, tantas riquezas, tantas diferenças sociais e em cuja seleção nacional joga “Pablo Escobar”, ídolo da torcida do Santo André (mesmo tendo deixado o clube este ano).

O time foi fundado em maio de 1935, na cidade de Cochabamba.

Nasceu pela iniciativa de um grupo de jovens estudantes que criaram o time com a idéia de ser um time mais popular. A cor do céu daquele dia serviu de inspiração para as primeiras camisas:

 

Naquela época, além de futebol, o Aurora também dedicava-se ao basquete.

O tempo passou rápido e em 1960, o Aurora celebrou suas “Bodas de Prata”. Haviam se passado 25 anos de existência com direito a duas participações no Campeonato Profissional da Associação de Futbeol de La Paz, colaborando para fortalecer o chamado “Time do Povo”.

Em 1964, o time alcançou o direito de disputar sua primeira Copa Libertadores de América, onde marcou apenas um ponto, num empate em casa contrao Cerro Portenho. Naquele ano, houve um fato curioso, os diretores do time foram agredidos por jogadores e torcedores ao informarem que pretendiam trazer reforços do time rival (Wilstermann).

Após muitos anos disputando torneios de divisões inferiores (após ser rebaixado em 1998), o Aurora retornou com força total ao futebol em 2003, graças ao título conquistado em 2002 (Copa Símon Bolívar), com o time:

Em 2004 puderam disputar a Copa Sulamericana.

Em 2008 saíram campeões do Clausura, voltando assim a Libertadores, dispurtada no ano seguinte. 

Manda seus jogos no Estádio Felix Capriles, que tem capacidade para 35 mil torcedores.

Vale lembrar que foi no Aurora que o meu xará Mauricio Baldivieso fez seu jogo de estréia, aos 12 anos de idade tornando-se assim o jogador mais jovem a disputar uma partida oficial na América do Sul. Lembram dele?

No fim das contas o garoto e seu pai (até então treinador da equipe) acabaram saindo do clube.  Ao ser informado que a diretoria não teria concordado com a escalação, o pai respondeu: “Si ustedes no lo quieren a mi hijo, no me quieren a mí”. Veja como foram os poucos minutos de participação, onde pouco fez, além de levar uma chegada forte do zagueiro rival:

Assim, o famoso Mauricio aos 13 anos encerrou sua rápida carreira e agora se dedica aos estudos.

“Los extranjeros nos valoran más que los de nuestro país”, disse o garoto ao ver a multidão de reporteres de diverosso países babando por noticias estranhas.

Sua torcida é tão apaixonada quanto se pode ser pelo time de sua cidade:

O site oficial do clube é www.clubaurora.com.bo