61- Camisa do Confiança

A 61 camisa vem de longe, lá do Sergipe e foi um regalito dos meus pais, de quando eles estiveram por lá, alguns anos atrás. O lugar é mesmo lindo!

Trata-se de uma réplica, das mais simples, mas foi o que eles encontraram por lá. Quem sabe eu não consigo uma melhor um dia desses…

Mas falemos da história da Associação Desportiva Confiança, mais um time fundado num 1º de maio, nesse caso, em 1936.

Volto a lembrar, times fundados no dia do trabalhador quase sempre possuem ligações com o movimento operário (anarquistas, comunistas… rebeldes em geral…).

Tanto que o time, chamado de “Gigante Operário“, surgiu em meio às extintas olimpíadas industriais, jogos onde as famílias operárias se confraternizavam.

O time começou como um clube de Basquete e Voleibol, fundado por operários da Fábrica Confiança.

O futebol só teria um time próprio em 1949, limitando-se a disputar amistosos pela região.

No ano seguinte participou do Estadual, mas devido a problemas na inscrição dos jogadores, acabou deixando o campeonato e apenas se preparando para o ano seguinte, quando conquistou o campeonato com facilidade, vencendo o Passagem de Neópolis por 7×1 na final.

Num outro 1º de maio, desta vez de 1955, o Confiança construiu o “Estádio Sabino Ribeiro“, vulgo “Proletário”, com capacidade para 4 mil torcedores.

Na década de 90, o estádio chegou a ficar somente recebendo os treinos da equipe do Confiança, mas voltou a ser utilizado como palco para jogos para alegria da torcida.

Localiza-se na Zona Norte da cidade e foi iniciativa do patrono, o empresário Joaquim Sabino Ribeiro Chaves, que por isso, dá nome à Cancha.

Foi inaugurado com o jogo Confiança 4 x 0 Passagem de Neópolis.

Infelizmente, a empresa de Ribeiro Chaves entrou em crise por uma dívida de aproximadamente R$ 2 milhões, e o estádio foi usado como garantia de pagamento e acabou indo a leilão. No primeiro dele, não houveram interessados, e ainda em 2009, a justiça promete um fim nesse triste caso.

Curiosamente, o site www.esporteemsergipe.com perguntou onde seria a melhor opção para o time treinar, e a resposta dos torcedores foi… as areias da praia da Orla de Atalaia.

Seguindo na linha do tempo, em 1957, o Confiança venceu o Bonsucesso/RJ por 3×1, sendo a primeira vitória de um time sergipano sobre times cariocas.

Na década de 60, o Confiança montou seu primeiro grande time (para muitos o maior de todos os tempos) e conquistou vários títulos, entre eles o bicampeonato de 1962/63, além de ser campeão invicto em 1968, com o time abaixo:

Na década de 70, novamente montou bons times, como o de 1973:

E como o que conseguiu mais um bicampeonato (1976/77), sendo que em 77, ainda realizou a melhor campanha de um time sergipano em nacionais.

Na década de 80, o time perdeu bastante visibilidade disputando apenas um Brasileiro e algumas edições da Segunda Divisão. Entretanto, mantinha-se forte no Estadual, como em 1983, quando foi campeão:

Na década de 90, enfrentou o pior jejum de sua história. 10 anos sem títulos.

Na segunda metade da década de 90, fez boas campanhas na Série C, mas nunca conseguindo o acesso.

Em 2000, iria decidir o estadual com o Sergipe mas a Polícia Militar vetou o estádio Sabino Ribeiro (que já tinha recebido mais de 20 jogos somente naquela temporada). O Confiança decidiu entrar em campo sem a presença do rival. A FSF remarcou a partida para um estádio neutro, e dessa vez o Confiança não compareceu. Ou seja… até hoje a briga está na justiça desportiva, com o Sergipe vencendo no TJD e o Confiança vencendo no STJD.

O jejum chegou ao fim em 2001 e em 2002, o time conquistou o bicampeonato de forma invicta, repetindo o feito de 1968, disputando também a Copa do Brasil. Conquistou ainda os títulos de 2004 e 2008, quando fez uma excelente campanha na Série C, mas perdendo a vaga para a série B no último octagonal. O time de 2008:

E nesse 2009, o time mais uma vez levantou o caneco estadual.

A torcida do Confiança tem crescido bastante e principalmente, comparecido ao estádio, e nos jogos fora.

Possui duas organizadas, a Torcida Trovão Azul, com quase 21 anos de vidae a Torcida Jovem do Confiança, com 7 anos.

O mascote do clube é o dragão, abaixo na versão de Juarez Corrêa:

O site oficial do clube é o www.adconfianca.com

Pra terminar, que tal torcer em meio à torcida do Confiança?

Anúncios

Looking for Eric

Graças a a minha hiperatividade, levo uma vida a mil por hora, quase sempre fazendo duas ou três coisas ao mesmo tempo.

Entretanto, tem horas que é preciso abrir mão de uma coisa em previlégio de outra, e foi o que fiz com a 33a Mostra Internacional de Cinema. Não asssiti a um filme e agora estou caçando pelo site deles os mais interessantes.

Looking for Eric foi o que mais me chamou atenção e por isso o primeiro a ser assistido.

O filme conta a história de Eric, um carteiro de meia idade que viu sua vida desmoronar, desde que há 30 anos abandonou o amor de sua vida, Lily, por medo da responsabilidade envolvida.

Mora num típico subúrbio inglês, com dois enteados “forgados”, que parecem não dar a mínima para ele, e vão levando a famosa “vida loka”.

Os amigos até procuram ajudar Eric a esquecer o passado, mas parece que não tem jeito, ele vai ficando cada vez pior.

Mas quando tudo parece perdido, um “anjo da guarda” homônimo, mas completamente diferente dos padrões, surge para ajudar Eric.

Só pra te ajudar a lembrar de um momento fabuloso desse anjo:

É o que o carteiro Eric precisava para começar a se reerguer. Daí pra frente a história ganha em ação e mostra o renascimento do personagem.

Veja o trailer do filme (incrível, mas não achei um com legendas em português, mas é bom ouvir um pouco do “Cockney English”… Oi! Oi!):

O mais legal é a história por traz do drama, que mostra um pouco da realidade do cidadão comum seja na Inglaterra, seja no Brasil.

Talvez soe inocente, para quem viva a fantasia do mundo moderno, onde o que importa é ter um carrão, e estar bem na próxima balada.

Mas soa mágico para quem encara o mundo como ele é, de verdade.

Para quem vive a realidade, onde tudo o que se tem são seus amigos, seja você punk, skin, hooligan, rapper, mano, nóia, ou simplesmente mais um trabalhador como Eric…

Onde o fracasso parece estar muito mais presente que o sucesso, e o verbo mais utilizado é batalhar. Seja por um novo emprego, seja pelo seu time, pelos seus amigo…

Nada é fácil. Mas estamos juntos! Nos estádios, nos shows, no boteco…

A vida do carteiro Eric é assim. O diretor Ken Loach está acostumado a construir personagens assim. Talvez por isso seus filmes encante algumas pessoas, mas seja visto como “sujos” por outros.

No final das contas, é difícil saber com qual dos dois Erics a gente se empolga mais. Não só pelas conquistas de cada um, mas pela vida real e dramática que cada um teve (releia um pouco sobre Cantona, vale a pena).

Talvez o que falte para a maioria das pessoas é apenas que sua história seja contada.

Asssista!

60- Camisa do All Boys

abril-1891

A 60a camisa do blog pertence a um time que eu gosto muito, e que só conheci nos anos 90. Trata-se do Club Atletico All Boys, da Argentina.

E tenho logo duas camisas deles.

Uma é essa aí em cima, que me foi dada de presente por “Mr George”, um baixista da cena punk argentina, que esteve aqui pelo Brasil tocando com o “Muerte Lenta“, nos anos 90.

Foi ele quem me apresentou o time (ele era um hincha fanático). Alguns anos depois, tive a oportunidade de ir até Buenos Aires (minha primeira visita à capital) e por coincidência fiquei  no bairro de Floresta. Aí… o All Boys acabou virando o time que eu mais gosto na Argentina.

A outra camisa (abaixo), eu comprei nas proximidades do estádio, no dia em que eu, Mari, Gui, Jão e tia Janice fomos assistir ao jogo All Boys x Comunicaciones.

abril-195

Não só não é oficial, como é apenas uma regata de 15 pesos, para se ir a La Cancha! Com o apelido do time nas costas. “Los Albos”!

abril-197

Falando da história do time, o Club Atlético All Boys ou “Los Albos” foi fundado em 15 de março de 1913, e é sediado no bairro Floresta, na cidade de Buenos Aires. Suas cores são branco e preto.

Esse vídeo conta um pouco sobre a história do clube:

O nome do time foi dado devido à juventude dos fundadores, e seguiu a curiosa tradição de dar nomes em inglês para os times portenhos.

Vicente Cincotta, ex atleta de equipes como Ferrocarril Oeste, Boca Juniors e Argentino de Quilmes foi o primeiro presidente e sócio número 1 do clube.

Ainda em 1913, disputou seu primeiro torneio, na terceira divisão da “Federación Argentina de Football“, e em 1922, chegou à Primeira Divisão.

O que representa a chegada do profissionalismo ao futebol argentino é o surgimento da AFA (Asociación del Fútbol Argentino) que aconteceu em 1931, mas o All Boys seguiu no amadorismo até 1937.

O time teve seu período dourado na década de 70, quando em 1972, chegou à Primeira A, onde permaneceu até 1980. Abaixo, o time de 72:

Na temporada 1992-1993 mais um exito, o acesso a Série B Nacional.

Na temprada 1999-2000, quase voltou a Primeira A.  Desde então vinha fazendo temporadas apenas regulares caindo para a Segunda B, até que em 2007-2008 conquistou mais uma vez o acesso à Primeira B

Relembre essas conquistas:

O acesso conquistados na temporada 2007/08 é o mais recente e foi bastante comemorado, já que o clube vinha de um longo período sem conquistas. A torcida foi a loucura e parou o bairro Floresta:

Manda seus Estádio Islas Malvinas, estádio de 1963, com capacidade para 19 mil torcedores. Abaixo, eu, a Mari, o Gui e o Jão, em frente ao estádio.

allboys

A dica é chegar mais cedo, comprar o ingresso e enquanto espera a hora do jogo, comer uma pizza ali nas redondezas do estádio.

Naquele jogo, que fomos assistir, foi inaugurada uma nova seção da arquibancada. Ali, no canto inferior direito tem um pedacinho do cabelo da Mari e da minha cabeça.

jogo do all boys

Não me pergunte como, mas conseguimos perder a maior parte das fotos que fizemos daquele jogo…

Foi sem dúvida uma experiência única, já que ficamos bem no meio da barra, e participamos das 2 avalanches dos gols. Que gols? Veja aí como foi o jogo:

O estádio estava bem cheio aquele dia. E posso dizer que lembrou muito os jogos do Santo André, de antigamente, quando levávamos 7, 8, até 10 mil pessoas em jogos da segunda divisão. Vale lembrar que o all Boys também estava na segunda divisão, nesse momento. 

Pra quem nunca foi, entender, no meio da arquibancada estava a barra do time, e o mais curioso é que na lateral da arquibancada ficam as famílias, 2, 3 gerações de torcedores do time do bairro.

O site oficial do time é o www.caallboys.com.ar/ , mas está em manutenção, assim fica a dica do site feito pela torcida:  www.albocapo.com.ar/

Pra quem for para Buenos Aires, eu recomendo uma passadinha pelo Barrio de Floresta e ao menos uma visita ao Estádio Islas Malvinas, onde fomos muito bem recebidos. Para terminar, uma olhadinha na arquibancada pelos olhos do torcedor Albo:

Abraços!

Ramalhão anos 70…

ramalhao

Já mostrei esse poster no blog do Santo André na Globo, e acabei esquecendo de mostrá-lo aqui também.

Uma recordação feliz num momento de tanta turbulência…

Published in: on 16 de novembro de 2009 at 8:43 PM  Comments (1)  
Tags: , ,

Somos nós contra todos!

Pra quem não viu, seguem as lamentáveis cenas ocorridas no treino do Santo André ontem (é o programa "Expulsos de Campo" do também andreense "Gui"):

http://www.youtube.com/watch?v=309H_hVmOJo

É uma discussão complicada, mas eu concordo com a tese de que diretores e jogadores passam, e somos nós torcedores quem ficamos.

Nunes, um dos meus preferidos desse time, foi o pivô da briga.

O que vcs acham? O jogador está certo em comprar a briga e ir pra arquibancada?

59- Camisa do Coritiba

 abril-199

59a Camisa de Futebol do nosso blog é a camisa do Coritiba Foot Ball Club.

É uma réplica, comprada num calçadão em Curitiba por R$16. Adoro réplicas bem feitas a preços camaradas… Por que não se pode ter camisas oficiais mais baratas?? Pô, de R$16 pra R$116 é demais….

A Camisa do Coritiba lembra muito a do Celtic, ou do Sporting de Portugal, e eu acho uma combinação de cores ótima para listras horizontais. O detalhe é para o número dourado, que também acho bonito:

abril-204

Bom, mas falemos sobre o Coritiba Foot Ball Club, dono da camisa, sem dúvida um dos maiores clubes brasileiros.

Confesso que me sinto um pouco constrangido para falar de grandes clubes, então, antes de mais nada, se quiser ver o que eles mesmos falam, o site do time é www.coritiba.com.br .

O Coritiba foi fundado em 12 de outubro de 1909, ou seja, festejou, esse ano seu primeiro centenário.

coritiba centenario

O clube nasceu graças a Frederico Fritz Essenfelder, um dos membro de um grupo de atletas que praticavam ginástica, que apareceu com uma bola e apresentou o jogo aos colegas.

Frederico Fritz Essenfelder

Logo, todos estavam completamente apaixonados pelo esporte e decidiram fundar um clube só de futebol. Nascia o Coritibano Football Club.

No dia 23 de outubro de 1909, tiveram seu primeiro jogo contra um time de funcionários da estrada de ferro de Ponta Grossa .

Abaixo, a foto do time que jogou sob o nome Coritubano:

 

coritiba1909

Até 1916, usou a área do Jóquei Clube Paranaense como campo.

coritiba 1912

Jogo no Jóquei Clube, em 1912

Em 1910, o nome do clube foi alterado para Coritiba, grafia européia, utilizada na época para designar a cidade. As cores, verde e branco, são uma referência às da bandeira do estado.

Em 1915 o clube participa de sua primeira competição oficial, e no ano seguinte, conqusitou seu primeiro título, no campeonato estadual.

coritiba1916

O time é popularmente chamado de “Coxa Branca”, devido aos seus primeiros times serem formados basicamente por descendentes de alemães. Um dos possíveis criadores do apelido seria Jofre Cabral e Silva (torcedor e anos mais tarde, presidente do rival Atlético Paranaense) que tentava irritar o zagueiro Hans Breyer, chamando-o de “Coxa Branca”.

As décadas de 20 e 30, trouxeram muitas novas conquistas ao clube, mas sem dúvida, o maior presente foi a inauguração do Estádio Belfort Duarte, em 1932.

estadio

Não dá pra resumir em um único post tanta história, então só para citar, os anos 40, 50 e 60  foram repletos de títulos e conquistas.

Em 1969 o Coritiba faz a primeira excursão para o exterior.

No ano seguinte, montou um time cheio de estrelas, visando aumentar o público e assim conseguir recursos para ampliação do Estádio Belfort Duarte.

A década de 70 é chamada de década de ouro, graças a hegemonia conquistada no futebol paranaense.

Conquista um hexacampeonato estadual, maior seqüência de vitórias na história do profissionalismo no futebol paranaense, e chega em quinto lugar na primeira edição do campeonato brasileiro, de 1971.

coritiba1971

Em 1977, o nome do estádio é alterado para Major Antônio Couto Pereira, em homenagem ao falecido presidente do clube.

Cópia de ferias fim de 2008 039

A década de 80 inicia-se em alto estilo, e o Coxa fica em terceiro no campeonato brasileiro de 1980.

Mas o grande ano do time é 1985.

Com um elenco modesto (do qual fazia parte o goleirão Rafael, e seu bigodão, que dizem terperdido a orelha num jogo, ao enroscar-se com a rede do gol…), e comandados por Ênio Andrade o Coritiba chega a final contra o não menos desacreditado Bangu.

coritiba1985placar

A final, em pleno Maracanã é decidida nos penaltys. Veja como foi:

Campeão nacional, o Coxa participa da Libertadores da América de 1986, mas faz uma campanha discreta.

Em 1987, lembro bastante do Coritiba porque ele foi um dos times a disputar a Copa União (e consequentemente estar em um dos melhores álbuns brasileiros de figurinhas de futebol).

coritiba_1987

Em 1988 o Coritiba quase cai para a segunda divisão paranaense.

Em 1989, apósperder o mando de campo, o time foi obrigado a enfrentar o Santos em Juiz de Fora, um dia antes de jogar contra o Vasco. O time compra a briga e ganha na justiça comum o direito de adiar a partida. Assim, não enfrenta o Santos e como punição é rebaixado pela CBF para a Série B.

O time só retornaria à primeira divisão em 1995, no último jogo sendo disputado contra nada menos que o rival Atlético Paranaense, e veja como foi:

Em 1997 o Coxa é campeão do Festival Brasileiro de Futebol.

Em 1998 foi eliminado pela Portuguesa nas quartas-de-final.

Em 2002, brilha como uma das melhores equipes do campeonato brasileiro e lança o projeto de clube-empresa.

Em 2003 chega em quinto no Campeonato Brasileiro e conquista o direito de disputar a segunda Libertadores da América de sua história.

Mas no ano seguinte é novamente eliminado precocemente da competição sulamericana.

Em 2005, o time foi rebaixado para a Série B da competição, assim como Atlético Mineiro, Paysandu e Brasiliense.

Em 2007, conquista o acesso à Serie A do Campeonato Brasileiro, sagrando-se campeão da Série B .

coritiba2007

campeao2007

Time campeão

E agora, em 2009, o time está lutando para não cair novamente.

Como estivemos por Coritiba no fim do ano passado, eu e a Mari não resistimos em fazer um tour pelo Estádio..

ferias-fim-de-2008-024

A Mari se encantou com o estilo old school do Estádio do Coxa.

ferias fim de 2008 002

A arquibancada é mesmo muito grande, principalmente quando você está sozinho no estádio…

ferias fim de 2008 026

Fomos muito bem recebidos pelo assessor de imprensa do clube, mesmo sendo no mesmo dia em que ele iria apresentar o novo técnico do time (na época Ivo Wortmann)

ferias fim de 2008 030

Essa foto abaixo é um poster que está na parte interna do estádio. Maravilhoso não?

ferias-fim-de-2008-012

O estádio Major Antônio Couto Pereira é o maior do Paraná, e hoje tem capacidade para 37.182 pessoas. Vale lembrar que alguns torcedores o chamam de Alto da Glória (nome do bairro).

O mascote do Coritiba é um velhinho, o Vovô Coxa, em alusão ao time ser o mais antigo do Paraná:

coritiba-pr-mascote

Fica nossa homenagem e respeito aos 100 anos de existência do Coritiba.

Apoie o time da sua área!

Em busca do Estádio perdido em Águas da Prata

Mais um capítulo em nossa incansável busca por Estádios que não fazem parte da história comercial do Futebol.

Estádios esquecidos pela grande mídia, mas nem por isso menos valorosos.

Símbolos de um futebol local, de cidades do interior como a bela e pequena… Águas da Prata!!

aguasprata24

A cidade é conhecida por suas fontes de águas diferenciadas. Você pode até não lembrar, mas já bebeu uma água de lá, pode apostar!

viagem estadios 091

Pra quem não conhece a cidade, leia aqui sobre minha primeira passagem por Águas da Prata.

A visita dessa vez foi unicamente para registrar em imagens e em nossas memórias o Estádio Municipal Franco Montoro.

Situado bem em cima da montanha, ele tem um cenário bem bucólico, com direito a neblina e tudo!

viagem estadios 071

Conhecemos o administrador do Estádio, que jogou por diversas equipes amadoras e pelo Radium de Mococa.

aguasdaprata1

A pequena arquibancada me fez lembrar a da extinta AABB de Santo André:

viagem estadios 072

Mas o “redor” do campo é diferente de qualquer outro estádio, parece até que era um estádio numa cidadezinha européia…

viagem estadios 086

A Mari foi sentir o que era sair do vestiário subterrâneo :

viagem estadios 079

E eu preferi fazer pose…

viagem estadios 080

Aliás, o que não faltou foi pose pelo estádio…

viagem estadios 073

Uma vista mais distante…

viagem estadios 082

E até uma tentativa de barra nas traves do gol, detalhe para minha bermuda companheira de tantas aventuras que não resistiu e se rasgou no joelho…

viagem estadios 084

Mas o maior charme é a montanha e a neblina ao fundo…

viagem estadios 075

Enfim… Para nós fica a tristeza de ter um time na cidade que ocupe o estádio e leve o nome da cidade aos “escritos oficiais” da Federação Paulista de Futebol.

Não conseguimos obter informações do Associação Atlética Águas da Prata, se alguém souber de  algo, por favor, nos comunique!

ATUALIZAÇÂO (08/12):

Recebi um alo da galera do blog pratanarede.blogspot.com e eles fizeram um post só com fotos de times da cidade, confira: http://pratanarede.blogspot.com/2009/12/um-pouco-de-futebol.html

Os acessos na série B do Paulista

Nesse fim de semana, o futebol de São Paulo conheceu os 4 times que subiram para a série A3 do Campeonato Paulista de 2010.

São eles: Red Bull, Taubaté, Atlético Araçatuba e Lemense (com o folclórico “Ferreira” conquistando mais um acesso).

Eu e a Mari fomos a Paulínia acompanhar o jogo mais importante da história do time da cidade, contra o não menos importante Atlético Araçatuba! E sabíamos que o jogo teria casa cheia!

niver 163

Desta vez, tivemos a companhia do Mathias, primo da Mari, que mora em Cosmópolis, cidade vizinha de Paulínia.

niver 164

A arquibancada estava quase completa, bem mais cheia que da outra vez que estivemos no Estádio Luis Perissinoto (veja aqui como foi)

niver 165

Dessa vez encontramos até uma Torcida Organizada para o time, a TUP (Torcida Uniformizada do Paulínia).

niver 167

A TUP além de camisetas próprias, estava com balões e cantando o tempo todo para apoiar o time, que só precisava de uma vitória simples para subir de divisão.

niver 168

Cornetas e chapéus “boleiros” também marcaram presença na nublada, mas quente manhã da cidade de Paulínia.

niver 169

Famílias e crianças também estão nas arquibancadas do time, bem diferente do padrão exclusivamente masculino tão comum pelos estádios hoje em dia.

niver 172

O gramado em boas condições, a torcida presente, uma temperatura agradável. O placo estava marcado para a conquista do acesso.

niver 173

Ah, e claro, eu e a Mari estávamos lá pra presentear essa partida histórica!

niver 174

Eu, a Mari e muitas pessoas…

niver 175

O melhor do Estádio Luis Perissinoto, na minha opinião é a pastelaria que funciona embaixo da arquibancada. A dica é comprar na hora do jogo para evitar as filas e o calor na hora do intervalo.

niver 176

Como somos vegetarianos, nossa opção é o de queijo, frito ali mesmo, na hora…

niver 177

Fim de primeiro tempo. 0x0 no placar.

aniver 171

Com a bola parada entra em campo “Dino Paulino”, o mascote do Paulínia, que fica defendendo penaltys da molecada no intervalo, enquanto os marmanjos ficam arriscando chutes a gol do meio de campo.

niver 191

Aproveitei pra ir até o outro lado do campo e tirar uma foto da bela arquibancada repleta de torcedores do Paulínia!

niver 196

Uma não, duas fotos!

niver 199

Começa o 2o tempo, e lá vamos nós pros nossos lugares esperar 45 minutos para saber quem disputará a A3 de 2010.

niver 204

O Paulínia sabe que precisa vencer e manda o time pro ataque!

niver 208

O time perdeu umas 3 chances claras de gol. O goleiro do Atlético Araçatuba catou muito!

niver 221

Mas, o futebol é assim. Quando o Paulínia parecia dominar o jogo, o time sofreu um contra ataque mortífero que só foi parado com um penalty. Veja a cobrança:

Com 1×0 no placar, a ordem do time do Araçatuba era segurar o jogo. Nem a família de Quero-quero que estava por ali incomodava o lateral do time do Atlético.

niver 211

E com a obrigação de marcar 2 gols para se classificar, o Paulínia fez o que a maioria dos times brasileiros fazem. Faltas, escanteios, saídas de bola… Tudo era transformado em chutões na área, na esperança de um cabeçeio.

niver 214

E dá lhe escanteios…

niver 223

Mas não teve jeito para os donos da casa. O Atlético Araçatuba foi quem festejou no final.

niver 231

O torcedor do Paulínia teve que assistir a festa do time adversário, que emboria não tenha criado muitas situações de gol, soube se portar corretamente, esperando o momento certo do contra ataque.

niver 232

Os jogadores do Paulínia saíram bem chateados.

niver 235

Mas triste mesmo estavam os torcedores do Paulínia, que pareciam não acreditar no que havia acontecido. Espero que isso não manche a bonita história de amor que começa a surgir entre o time e a população da cidade.

niver 239

O time do Araçatuba merece os parabéns pelo placar e pelo acesso, assim como as outras 3 equipes que disputarão a A3 do ano que vem, Taubaté, Red Bull e Lemense.

niver 241

Teve até oração após o apito final. (esse blog não recomenda nenhuma religião. Seja você mesmo e não atrapalhe a vida de ninguém que você já está sendo uma ótima pessoa).  

niver 243

Ao Paulínia, seus dirigentes e torcedores, fica também o nosso parabéns. Temos acompanhado há algum tempo o trabalho diferenciado que vem sendo feito com o time, e sabemos o quanto é duro chegar até a última fase dessa competição e perder o acesso nos últimos 10 minutos.

É assim que nascem os times valentes e brigadores. Temos certeza queo Paulínia virá ainda mais forte em 2010, como já fizeram as equipes que “bateram na trave” em outras edições da série B (o próprio Red Bull que só subiu esse ano).

A série B do Campeonato Paulista é um dos campeonatos mais difíceis e charmosos do país. Parabéns aos  mais de 40 times que a disputaram em 2009!

58- Camisa do Radium de Mococa

jogo sport 041

A 58a Camisa de Futebol, do Radium Futebol Clube eu comprei dentro do próprio estádio, no intervalo da partida que ganhou de 3×0 contra o Sumaré, no dia 14 de junho, no mesmo rolê em que eu consegui a camisa da Guaxupé.

Como eu não tinha levado dinheiro, só tava com o cartão, o pessoal deixou eu fazer um depósito mais tarde. Confesso que demorei pra pagar porque não encontrava onde tinha anotado os dados da conta dos caras, mas já ta pago!! (meio caro, R$ 50, mas tá pago! hehehe)

Mococa é uma cidade bem próxima do sul de Minas, e ainda consegue manter uma cara de cidade de interior, bem mais tranqüila que a correria que estou acostumado aqui no ABC ou em São Paulo.

mococa

O Radium é bem conhecido, mas confesso que briga de igual para igual com os deliciosos doces de leite para saber qual o “bem” mais importante da cidade.

doce de leite

No meu caso, Mococa é também a terra de um pessoal punk que era bem gente fina, quem sabe esse post chega até eles. Eu nunca mais tive noticias. Só lembro do nome de um deles, o “Joey”.

Mas falando do time, por que um time com esse nome tão diferente? A resposta é simples, esse foi o jeito que os fundadores arrumaram para homenagear o elemento químico descoberto pela cientista francesa Marie Curie, que pressupunha força, potência e energia.

radium

Foi fundado em 1º de maio de 1919, e times fundados nessa data (dia do trabalho), sempre possuem forte ligação operária, e provavelmente anarquista.

Manda seus jogos no Estádio Olímpico São Sebastião, com capacidade para aproximadamente 7 mil torcedores.

radium mococa

viagem estadios 255

Destaque para a lojinha do time, dentro do estádio:

loja radium

Em 2009 o clube comemora 90 anos de existência, por isso existe uma série de produtos comemorando o feito, de camisas à cervejas:

Os 90 anos do time tiveram direito até à cobertura da mídia:

O time é bem acompanhado pelos moradores da cidade, tem até uma organizada, a Fúria Verde, nascida em 2008, em uma roda de bar em Mococa.

Furia_verde_do_radium

Disputa torneios profissionais desde 1949, o time daquele ano:

radium 1949

Teve seu auge no início dos anos 50, quando conquistou o Campeonato Paulista do Interior e a Série A2 em 1950, disputando em 1951 e 1952 a primeira divisão.

Time de 1952:

radium_1952

Após ficar o ano de 1953 sem competir profissionalmente, voltou em 1954 no então Campeonato Paulista da Primeira Divisão (equivalente a atual Série A2), competição que disputou até 1957.

radium 1957

No ano seguinte, mais um período longe dos torneios profissionais, com o retorno em 1961 na Terceira Divisão Estadual.

De 1962 até 1976 o clube esteve mais uma vez longe dos campeonatos profissionais, voltando na “Terceirona” de 1977, divisão que permaneceu até 1979, quando ao lado do Amparo e do Lemense conseguiu o acesso à Segunda Divisão de 1980. Ainda neste ano, realizou o primeiro amistoso internacional da história contra a Seleção da Arábia Saudita. Venceram por 4 a 1 .

Time de 1979:

radium 79-81

Em 1988 o clube de Mococa foi rebaixado e disputou por dois anos o Campeonato Paulista da Segunda Divisão (equivalente a atual Série A3), quando em 1990 novamente obteve o direito de subir uma divisão e chegar à Série Intermediária, competição que disputou por quatro temporadas.

Em 1994 disputou o Campeonato Paulista B1A, equivalente à quarta divisão do futebol estadual, e continuou nesta competição até 1996. Nas temporadas de 1997 e 1998 esteve ausente do profissionalismo e no ano seguinte, em 1999, disputou a Série B1B.

Do ano 2000 até 2003 participou do Campeonato Paulista da Série B2 e neste meio tempo, entre 2001 e 2003, esteve presente em três edições da Copa São Paulo de Juniores, sendo eliminado na primeira fase de todas.

Em 2005 passou a competir na Segunda Divisão Estadual.

Seu mascote é o Periquito e é também chamado de “Verdão da Mogiana”.

radium

Estivemos no Estádio São Sebastião acompanhando Radium x Sumaré, e o Radium venceu por 2×0.

viagem estadios 261

viagem estadios 264

O placar não conseguiu acompanhar os gols…

viagem estadios 262

Para quem acha que rock e futebol não combinam, ainda mais no interior, se liga nas chamadas que os caras fizeram pros jogos desse ano, beeeeem roqueira!:

E a galera tem comparecido!

viagem estadios 272

A vista das arquibancadas revela um horizonte ainda típico do interior, com muito verde, árvores e montanhas… Vendo isso eu me pergunto até quando eu aguento viver no meio de tanto prédio e poluição…

viagem estadios 266

E como sempre, eu e a Mari imortalizamos nossa presença no Estádio!!

viagem estadios 257

Estou tentando conseguir o livro “Radium, o verdão da Mogiana”, para conseguir mais informações, mas por hora, quem quiser saber mais, acesse o site oficial do time é www.radiumfc.com.br

Existe também um blog muito legal falando sobre o time:  www.radiumfc.blogspot.com/

Pra finalizar, que tal um rolê embaixo do bandeirão da torcida??