Osmar Santos e família

Puxa, essa semana que passou eu tive o prazer de almoçar com uma das lendas do rádio esportivo brasileiro Osmar Santos …

 osmar1

Aliás, não só com ele, mas também com Odinei Edson, narrador e jornalista ligado ao automobilismo (um dos responsáveis pelo portal Tázio e Oscar Ulisses, narrador de futebol. Uma família e tanto não?

oscar-ulisses-osamar-santos-e-odinei-edson

O Odinei sabe tudo de automobilismo (de Stock Car à Fórmula Truck, passando
pela Indy e F1). Tem uma proximidade com o irmão que parece coisa de criança, é incrível.

Oscar Ulisses é quem atualmente está trabalhando mais próximo da nossa paixão, o futebol. Falamos um pouco sobre o time do Marília (já que eles moraram lá, um bom tempo), e sobre a visão diferenciada que um jornalista que viveu no interior pode ter pro jornalismo esportivo.

Mas confesso que minha atenção ficou mais focada em Osmar Santos. Uma pessoa única, com uma presença de espírito que faz a gente querer passar o dia todo ao lado dele. Suas palavras emocionam.

Fiquei emocionado e me lembrei claramente de uma tarde da década de 80, quando o gradiente da sala “tocava” um Palmeiras x America com narração de Osmar Santos. Junto das figurinhas (leia o post abaixo), o rádio foi um dos motivos pela minha paixão ao futebol.

E eu que normalmente falo muito, fiquei a maior parte do tempo quieto. Curtindo comigo mesmo aquele momento. Tinha muito conteúdo ali. E mesmo com toda essa bagagem, um mais humilde que o outro. Profissionais da velha guarda. Cumprimentos com olhos-nos-olhos.

O tempo passsou depressa. Logo me vi em casa comentando com meu pai o encontro. Ele me perguntou se eu pedi um “Ripa na chulipa e pimba na gorduchinha”. Confessei que na hora fiquei sem jeito, e depois me arrependi…

Todo mundo deve pedir isso, mas… as vezes qual o problema de ser como todo mundo?

Fiquei pensando nos futuros narradores. A maior parte deles, criados nas grandes cidades, formados em Universidades de renome, mas que jogaram muito pouco (se é que jogaram) nos campos de Várzea.

Provavelmente torcedores dos chamados “grandes clubes”. Com histórias muito bem contadas, mas… que pouco se diferenciam umas das outras.

Mais uma vez aquele sentimento de nostálgia e de fim de filme me abateu. Os tempos mudaram. O futebol mudou. Preciso entender.

Pouco antes do almoço encerrar, contei a eles do meu blog e da minha missão de reunir as 1.000 camisas. O Osmar me pergunta se eu tenho a do Catanduvense. Digo que não.

Saca a inseparável agendinha e disca um numero no celular. Diz com voz forte: “Márcio? Boa tarde” e me passa o celular.

Era o presidente da camara de Catanduva, a quem explico, um pouco sem jeito a situação. Ele pede meu endereço e diz que fará o envio da camisa em breve. Pede que mande um abraço ao Osmar.

O mago da comunicação fala pouco, mas ainda faz acontecer. Fantástico… Algumas pessoas ainda me fazem acreditar que nem tudo está perdido.

Será?

Anúncios

The URI to TrackBack this entry is: https://asmilcamisas.wordpress.com/2009/02/17/osmar-santos-e-familia/trackback/

RSS feed for comments on this post.

8 ComentáriosDeixe um comentário

  1. grande mau!
    tenho acompanhado o blog, muito legal. voce precisa aparecer em casa pra pegar aquela camisa do rio branco. e já que o assunto é futebol, dá uma olhada no meu ultimo post

    http://www.g129.wordpress.com

    abraco!

  2. Osmar é inigualável , além de um excepcional narrador , tem um bom humor em tudo que faz , tenho muitas saudades das tardes de domingo que eu ouvia pela rádio globo suas espetaculares narrações e durante a semana no globo esportivo as 18:00 hs o noticiário que ele comandava cheio de bom humor. Como homem não tem o que falar desta figura humana ímpar. Sempre lembro de um dos bordões dele ” a vida está tão competitiva” e realmente está . Pobre do nosso rádio que convive hoje com narradores péssimos e tendenciosos , que são mais torcedores que narradores.Só resta dizer :Que saudades Osmar!!!!!!!!!!!!!!!!!

  3. É de arrepiar!

    Abraços,

    Rafael Rosa

  4. Cara,quanta emoção,esses caras que você teve o prazer de encontrar são caras que me fizeram aprender a gostar de futebol,quando eu escutava os jogos na rádio Globo sempre escutava a grande voz do irmão do Osmar,o Oscar Ulisses,já liguei para a rádio uma vez e consegui falar com ele,com o Morsa,foi bem legal.Esse Odinei é o Odinei Édson,ou é só Santos mesmo?É que lembro dele transmitindo a fórmula 1.
    Abraços,e seu texto até me emocionou,que encontro foi esse o seu!!!

  5. Amigo Maurício, estou te indicando para o recebimento de um selo de reconhecimento em meu blog
    Caso o queira, passa lá para saber como proceder.
    Abraços

  6. Cara, uma grande história. Com o grande narrador do futebol brasileiro!

  7. é com grande prazer que eu e meu filho dois corinthianos perdidos em Santa catarina – Florianopolis. Cafu com 39anos de idade vc acha que tem pique pra aguentar correr no futebol de hoje ,na Europa eles não sabem jogar bola ,por isso eles gastam tanto com os nossos melhores jogadores e quando estão em final de carreira eles não querem mais.

  8. me sinto voltado no tempo me sinto um garoto, pois minha vida toda Osmar fez parte da minha familia e como se fosse um irmão a mais no meio de nós , em casa quando se reunimos é difcil falar de futebol sem falar no Osmar Santos , quando encontrei com Oscar no pacaembu eu disse a ele quanto eu tinha resado para Osmar ficar bom , um abraço pai da matéria , menino de Oswaldo Cruz
    Amarildo GRECCO BARBOSA- FRANCO DA ROCHA -SP


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: