Meu adeus ao Chicão – o homem que pararia Pelé.

É, tudo na internet é em tempo real, mas precisei de um tempo pra conseguir escrever esse post. Mais de um mês após sua morte (8 de outubro) essa é minha homenagem. 

Como já disse aqui, tenho uma visão diferente das coisas, do mundo e do futebol. Alguns dirão que é porque nunca fui um jogador habilidoso, no máximo um razoável goleiro e um zagueiro brucutu esforçado (tipo o Camilão do Santos, lembra?).

chicao71

Seja lá o motivo, eu sempre valorizei muito mais quem tivesse coragem vontade e amor à camisa do que quem simplesmente gosta de driblar, e muitas vezes parece descompromissado com o time.

Assim, Chicão era um dos meus grandes ídolos, mesmo sem tê-lo visto jogar ao vivo. (Sou de 77, ano em que ele estava no auge).

Francisco Jesuíno Avanzi, o “Chicão” nasceu em Piracicaba, em 30 de janeiro de 1949, e jogou no XV de Piracicaba, Ponte Preta, São Paulo, São Bento, Atlético Mg,  União Barbarense-SP, Mogi Mirim-SP, Londrina-PR, Santos, Botafogo-SP, Goiás e Lemense. No São Paulo, alcançou o auge da sua carreira. Foi símbolo de garra, incansável no desarme.

chicao71saobento

Pela maneira viril com que jogava adquiriu um problema crônico do nervo ciático, mas nem parecia que isso o atrapalhava. Além disso, tinha personalidade tão forte, que chegou a levar um cartão amarelo antes do jogo, começar quando gritou para o árbitro José de Assis Aragão “Apita direito essa porcaria! “.

chicaotitulo

Tive o prazer de conhecer pessoalmente o Chicão, há cerca de 10 anos, num clube chamado Satélite, em Itanhaém, no litoral sul de São Paulo, e foi por várias vezes que pude bater longos papos e me deliciar ouvindo suas histórias, verdadeiras epopéias perdidas no tempo.

chicaoem-casa

O Chicão pessoa não tinha nada a ver com o volante. Era calmo, voz mansa. A notícia de sua morte me pegou de surpresa… Sequer sabia que estava internado, ou que tivesse câncer. Como as coisas são… Nunca pensei em tirar uma foto ao lado dele, afinal… eu o via com certa frequência…

Bom, vale relembrar algumas histórias que ele me contou, por exemplo sobre sua mágoa com a imprensa que criticou sua escalação pra copa de 78 (onde foi um monstro marcando Kempes, da Argentina no 0x0 que eliminou o Brasil).

chicaonacopa78

Além disso, ele sempre fez questão de desmentir a historia de que foi ele quem quebrou o joelho do Angelo, jogador do Atlético MG na final de 77. Ah, pra quem gosta, tem uma entrevista dele após esse jogo em: Chicao2_SP_CAM_77.wma, e outra no youtube em:watch?v=4DFSh0G_8-g 

Mas o que eu mais gostava de ouvir, nem era bem uma história… Se era, confesso que fui eu quem a criou. O fato é que sempre que ele se animava relembrando seus feitos eu o desafiava com a pergunta:

“Chicão, mas cá entre nós, se você tivesse chance de enfrentar o Pelé, ambos no auge de suas fases em uma partida decisiva (e digo isso porque eles chegaram a se enfrentar em um jogo que não valia muita coisa) o Pelé ia ter chance de fazer muita coisa??”

No começo essa pergunta o incomodava, porque ele achava que era uma provocação minha, mas com o tempo (eu perguntei isso umas 10 vezes, em cerca de 5 anos, juro) ele parava, como que imaginando o momento e….

Sorria… Apenas isso. Ele dizia…. ” O negão jogava demais”. Eu insistia e dizia: “Mas você é o Chicão, aposto que ele ia ter medo de você.” E na mais ousada de suas respostas uma vez ele disse.. “Vai saber né? Num jogo decisivo… Eu podia aprontar alguma coisa”.

chicao82

Pronto. Pra mim estava perfeito. Daquele momento em diante Chicão não era apenas mais um grande jogador pra mim, mas uma lenda. O homem que pararia Pelé.

Adeus Chicão, e muito obrigado por tudo.

Anúncios

The URI to TrackBack this entry is: https://asmilcamisas.wordpress.com/2008/11/18/meu-adeus-ao-chicao-o-homem-que-pararia-pele/trackback/

RSS feed for comments on this post.

3 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Caraca Mau,belo texto em homenagem a um cara que não vimos jogar mas que dava prazer de se encontrar com ele para ouvir uma história,o Chicão era uma grande pessoa,gente boa demais,atendia super bem,e,ao contrário de você,tenho uma foto com ele(na primeira vez que eu o conheci,depois te conto como foi,porque foi muito curioso)e um autógrafo no meu Guia dos Craques.Eu vou sentir falta dele,já sinto,na última vez que fui ao Satélite,ele ainda estava bem,gostava de ouvir suas histórias,e de ver ele.Fiquei sabendo da internação pelo Na Geral,que desejava uma pronta recuperação para ele,não sabia o que era e fui pesquisar,e mais para frente ouvi que quem o havia ajudado com o hospital era o grande(como pessoa,não na altura)Marco Aurélio Cunha.Pois é,foi para lá um grande cara,Deus está montando um timaço!

  2. Chicão que me perdoe, sinto pela perda de um bom jogador. Mas ele não foi nem o maior volante de São Paulo, quanto mais teria capacidade de parar Pelé, vulgo maior atleta de todos os tempos. Ninguém tinha capacidade de parar Pelé. Nem a guerra, nem o preconceito, nem a violência. E isso é fato. Garanto, que quem tremeria ao ver não só Pelé, mas ao ver Gilmar , Carlos Alberto , Mauro, Calvet, Zito, Rildo, Dorval, Antoninho, Coutinho, Pelé e Pepe e muitos outros seria Chicão. Não tinha quem tremia. Não tinha quem tinha medo. Não existia nada capaz de deter em algum segundo, esse clã, esse time, esse muro, esse grupo que unia raça, habilidade e força em muitas outras qualidades. Me desculpe falar, mas a realidade realmente incomoda. Ninguém irá superar o Santos de 60, senão outro esquadrão do próprio SANTOS FUTEBOL CLUBE. E tenho dito.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: